Cerrar Cerrar

menu-img-alt vale-wave
Imagem de header interno Imagem de header interno
10/7/22

Sustainability

Vale assina acordo para proteção de mais de 13 mil hectares de áreas verdes em Minas Gerais

A Vale firmou, nessa terça-feira (4/10), acordo com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) para preservação de áreas verdes já protegidas pela empresa localizadas na região do quadrilátero ferrífero de Minas Gerais. O documento prevê a formalização de 61 unidades de conservação pela Vale, garantindo proteção permanente de mais de 13 mil hectares de áreas verdes no estado.

 Em uma sala cheia de executivos, o VP da Vale discursa atrás de um púlpito.

Alexandre D’Ambrosio, vice-presidente Executivo de Assuntos Corporativos e Institucionais da Vale, salientou legado de preservação ambiental. Divulgação MPMG

“Este acordo inédito com o MPMG representa um legado de preservação ambiental perpétua no Estado de Minas Gerais. Trata-se de um programa estruturado de preservação da natureza no estado, que representa um novo paradigma para a mineração sustentável no Estado, com enormes ganhos para a sociedade”, destacou Alexandre D’Ambrosio, vice-presidente Executivo de Assuntos Corporativos e Institucionais da Vale.

Essas reservas têm importante papel para a conservação de remanescentes da Mata Atlântica e do Cerrado e contribuem para a formação de corredores ecológicos e manutenção de serviços ecossistêmicos essenciais, como a manutenção do fornecimento de água, a regulação climática e a polinização. Também contribuem para a preservação das belezas cênicas e ambientes históricos.

As 61 áreas verdes serão regularizadas entre unidades de conservação, áreas de servidão ambiental e Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) de caráter perpétuo em Minas Gerais. As reservas protegidas estão localizadas nas cidades de Barão de Cocais, Belo Vale, Brumadinho, Congonhas, Itabira, Itabirito, Mariana, Nova Lima, Ouro Preto, Rio Acima, Rio Piracicaba, Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo, locais onde a empresa mantém operações.

“Quero ressaltar que este acordo evidencia, sobretudo, que a mineração sustentável é sinônimo de preservação”, completou D’Ambrosio durante assinatura do acordo.

 Imagem de um pequeno macaco pendura no tronco de uma árvore. Ao fundo, há uma densa vegetação.

Um exemplo é a RPPN Mata do Jambreiro (foto), que ocupa uma área de 912 hectares na Mina de Águas Claras, em Nova Lima (MG). A reserva se configura em um bolsão de preservação da Mata Atlântica de alto valor para a conservação na Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

Detalhamento das 61 áreas que serão formalizadas em Minas Gerais

Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs), em propriedade particular da Vale:

  • Capitão do Mato II; Capitão do Mato III; Capitão do Mato IV; e Capitão do Mato VI; situadas em Nova Lima;
  • Córrego Seco I; Córrego Seco II; Córrego Seco III e Córrego Seco IV; situadas em Itabirito;
  • Horto Alegria IV; Horto Alegria V; Horto Alegria VI e Horto Alegria VII; situadas em Mariana;
  • Meirelles; situada em Itabira;
  • Cambotas; Cambotas II e Cambotas III; situadas em Barão de Cocais;
  • Jangada; Jangada II; Jangada IV; e Jangada VI; situadas em Brumadinho;
  • Fazenda do Capivary (área II ou gleba II); situada em Itabirito;

 

RPPNS já formalizadas:

  • Diogo; situada em Rio Piracicaba;
  • Horto Alegria; situada em Ouro Preto;
  • Itabiruçu; situada em Itabira;
  • Mata São José; situada em Itabira;
  • Fazenda do Capivary (área I ou gleba I); situada em Santa Bárbara;
  • Andaime; situada em Rio Acima;
  • Mata do Jambreiro; situada em Nova Lima;
  • Poço Fundo; situada em Congonhas;
  • Comodato Peti; situada em São Gonçalo do Rio Abaixo;
  • Itajuru Sobrado; situada em Santa Bárbara;
  • Girassol; situada em Itabira;
  • Horto Alegria II; situada em Mariana;
  • Horto Alegria III; situada em Mariana.

 

Áreas de servidão ambiental:

  • Cata Branca e Sítio Arqueológico Cata Branca; ambas situadas em Itabirito;
  • Serra da Moeda I; Serra da Moeda II; Serra da Moeda III; Serra da Moeda IV; Serra da Moeda V; Serra da Moeda VI; Serra da Moeda VII e Serra da Moeda VIII, situadas em Brumadinho;
  • Faria e Faria II; ambas situadas em Congonhas;
  • Trovões; situada em Nova Lima;
  • Rio de Peixe; situada em Nova Lima;
  • Mata do Jequitibá; situada em Brumadinho;
  • Casas Velhas; situada em Belo Vale;
  • Capitão do Mato, situada em Nova Lima.

 

Unidades de conservação:

  • Jangada III e Jangada V, situada em Brumadinho;
  • Capitão do Mato V, situada em Nova Lima;
  • Córrego Seco V, situada em Itabirito;
  • Andaime II e Andaime III, situada em Rio Acima;
  • Córrego do Meio I e Córrego do Meio II, situada em Sabará;
  • Quebra Pau, situada em Itabirito;
  • Capela, situada em Rio Acima;
  • Tumbá; situada em Nova Lima;

 

Áreas de preservação da Vale

A Vale ajuda a proteger no mundo cerca de 10 mil Km² de áreas florestadas, equivalentes a 12 vezes a área ocupada pelas suas operações. Como reflexo desse trabalho, desenvolvido por meio de uma gestão integrada dos territórios e parcerias, destaca-se também a proteção de espécies da fauna e da flora nativas, entre elas espécies endêmicas e ameaçadas de extinção. 

Lupa de pesquisa

Did not find what you were looking for? Access our Search Center