Tutup Tutup

Karyawan Vale tersenyum di lanskap hijau. Dia mengenakan seragam Vale
hijau, kacamata, helm, dan penutup telinga. Artefak gelombang visual Vale
Imagem de header interno Imagem de header interno
10/10/22

Dam elimination, Repair, Sustainability

Barragem em Barão de Cocais (MG) obtém DCE positiva e tem nível de emergência encerrado

A barragem Sul Inferior, na mina Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG), obteve a Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) positiva no final de setembro, atestando a segurança da estrutura, e o nível de emergência encerrado nesta segunda. A barragem mostrou condições de estabilidade e operação adequadas para a obtenção da DCE.

A ação foi comunicada aos órgãos competentes, conforme as diretrizes estabelecidas no Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM) e na legislação brasileira, incluindo a Agência Nacional de Mineração (ANM) e a auditoria técnica do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), que acompanha os trabalhos na estrutura.

A Sul Inferior foi construída pelo método de alteamento a jusante e contém aproximadamente 555 mil m³ de sedimentos. A restrição de acesso de pessoas à barragem permanece, uma vez que a estrutura se encontra dentro da mancha de inundação em caso de ruptura da barragem Sul Superior, atualmente em nível de emergência e em processo de descaracterização.

A duas estruturas são monitoradas permanentemente pelo Centro de Monitoramento Geotécnico (CMG) e recebem inspeções regulares de equipes internas e externas por meio de drones.

 

Segurança e prevenção

A barragem Sul Inferior é a sétima estrutura com encerramento de nível de emergência ao longo de 2022. No início deste mês, as barragens B5/MAC (Nova Lima), Marés II (Belo Vale), Santana (Itabira) e Paracatu (Catas Altas), todas em Minas Gerais, também saíram de emergência. Em agosto, a barragem Borrachudo II (Itabira) já tinha recebido sua certificação de segurança e, anteriormente, a barragem Elefante (Rio Piracicaba) também.

O avanço nas condições de segurança das estruturas é resultado da evolução das medidas implementadas desde 2019, como, por exemplo, o novo sistema de gestão das estruturas de disposição de rejeitos da Vale, direcionado pelos aprendizados com o rompimento da barragem em Brumadinho e pelas melhores e mais rigorosas práticas internacionais, como as definidas no Padrão Global da Indústria para a Gestão de Rejeitos (GISTM, em inglês).

A empresa assumiu o compromisso formal de adequar todas as suas barragens de rejeitos ao GISTM até 2025. Na prática, isso significa que a supervisão, monitoramento e a transparência das informações relativas às barragens estão sendo aprimorados continuamente. O foco prioritário é a segurança das pessoas, a redução de riscos e cuidados com o meio ambiente.

Além disso, com objetivo de desenvolver e fortalecer a cultura de prevenção nas comunidades onde atua, a Vale, em parceria e alinhamento com as Defesas Civis Municipais, cumpre um cronograma de testes de sirenes e exercícios simulados para orientar a população em caso de emergências envolvendo barragens. A empresa já implementou 93 Planos de Ação de Emergência para Barragens de Mineração (PAEBMs) em estruturas localizadas em Minas Gerais e no Pará, nas unidades de negócios Ferrosos e Metais Básicos no Brasil.

Lupa de pesquisa

Did not find what you were looking for? Access our Search Center